Followers

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Tagged Under: , ,

Tudo Sobre a Orelha de Abano informações e esclarecimentos!

Share

Tudo Sobre a Orelha de Abano informações e esclarecimentos!


Como Saber Se Tenho Orelhas de Abano?

Orelha de abano é aquela que se projeta excessivamente do crânio. Embora haja medidas objetivas para defini-la, na prática, é a percepção subjetiva que define se há abano ou não. O formato do rosto, o volume e penteado do cabelo e, também, o tamanho das orelhas, podem torná-las mais ou menos evidentes.

Cinco por cento da população têm orelhas de abano tanto no sexo feminino como no masculino e em mais de 90% dos casos, ocorre em ambas as orelhas, de forma simétrica ou não.

O que é fundamental na correção de orelhas de abano?

    Simetria
    Assim como as metades do rosto possuem assimetrias, as orelhas raramente são idênticas. Buscamos torná-las as mais simétricas possíveis.
    Curvas harmônicas
    As orelhas normais, têm curvas e proporções harmônicas. Na otoplastia devemos evitar resultados inestéticos.
    Adequação à estética da face
    Para definir o grau de correção do abano, levamos em consideração a preferência pessoal do(a) paciente, e também o formato do rosto e o tamanho das orelhas para que o resultado final se adeque à estética da face.
    Preservação da sensibilidade das orelhas
    Embora toda cirurgia possa trazer a alteração de sensibilidade, minimiza-se o risco com o profundo conhecimento da anatomia e a utilização de técnicas pouco agressivas.
    Cicatrizes imperceptíveis
    O correto posicionamento das incisões dificulta a visualização de cicatrizes.
    Ausência do estigma de orelha operada (naturalidade)
    O resultado natural deve tornar a orelha de abano operada semelhante a uma orelha normal, evitando que se perceba sinais da cirurgia.
    Resultados definitivos
    A manutenção do bom resultado é a regra na cirurgia bem realizada, porém, nas orelhas mais duras e inelásticas admite-se a ocorrência de recidiva parcial e eventual necessidade de segunda intervenção.


Como Escolher o Médico?

Uma difícil decisão está na escolha do médico, cujo trabalho terá um importante impacto em sua vida. Na medicina, a escolha errada pode comprometer nossa saúde física e mental, muitas vezes de forma irreversível. Assim, a decisão do médico responsável pela sua otoplastia deve ser criteriosa.

Como escolher um médico?

    Indicação de amigos – algum conhecido que já tenha sido operado pelo médico é uma referência importante. Mas não é possível concluir que o resultado obtido será igualmente bom no seu caso, já que as características da orelha de cada um influem significativamente no resultado. Somente o especialista poderá dizer se aquele bom resultado se aplica ao seu caso.
    Indicação de outro médico – A indicação de um médico da sua confiança é um importante ponto de partida na busca do bom profissional.
    Propaganda, Mídia, Internet – Enquanto que para boa parte das pessoas a mídia funciona como importante ferramenta para divulgação de um profissional, para outras reconhecer que conheceu o médico desta forma pode ser embaraçoso. Entenda isto como um ponto de partida e seja criterioso para definir se o profissional realmente é um especialista do assunto.

Qualquer que tenha sido a maneira de chegar até o médico, analise cada um dos critérios abaixo. Isoladamente, nenhum é suficiente para qualificá-lo, mas são importantes referências.

    Em que faculdade de medicina se formou?
    Onde fez Residência em Cirurgia Geral?
    Onde fez Residência em Cirurgia Plástica?
    Fez pós-graduação?
    Tem Título de Especialista?
    É membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica?
    Há quantos anos faz otoplastia?
    Realiza número significativo de procedimentos por mês?
    É respeitado pelos seus pares?
    É convidado para ministrar palestras sobre otoplastia nos congressos?
    Como são seus resultados (fotos do pré e pós-operatório)?
    Realiza a operação do início ao fim ou delega a terceiros, partes importantes da operação?
    É ético?
    Respeita as normas da Vigilância Sanitária?
    Respeita as normas do Conselho Federal de Medicina?
    Teve processos e foi condenado no Conselho Federal de Medicina?
    Houve empatia com o médico? Sentiu credibilidade durante a consulta?

0 comentários: